Seguidores, siga-os também... vale a pena

It's Really true!! Funciona mesmo!!

Curta! Enjoy it!
O mundo com olhar de criança...


Lembre-se de visitar os blogs parceiros e amigos, podendo acompanhá-los a partir deste blog, na seção abaixo dos posts.
Confira os vídeos!
Sinta-se à vontade!

Sua opinião é muito importante, por isso mesmo, comente!

terça-feira, 5 de maio de 2009

Tomati

Quarenta e três anos de idade, 38 dedicados à música. Este é Carlos Nascimento Tomati, mais conhecido como o ‘guitarrista do Jô’. Mundialmente respeitado pela maneira como extrai melodias de seu instrumento, Tomati morou nos EUA em 1987 e estudou com grandes nomes da música, dentre estes Scott Henderson, Frank Gambale, Paul Gilbert e Joe Pass. Não conhece ninguém? Calma. Tamanha dedicação - o brasileiro estudava 15 horas por dia - e talento foram reconhecidos por um dos mais famosos guitarristas do mundo: Joe Satriani. Em entrevista ao Programa do Jô, o americano fez uma jam com Tomati, que posteriormente foi elogiado no site oficial de Satriani - autor desta música aqui (que você conhece!). O que poucos sabem é que a vida de Tomati além do talk show ruma horizontes muito mais amplos. Seu flerte com o jazz, misturado às influências de música brasileira que o acompanham desde a infância - quando aos cinco anos ainda arranhava um Tom Jobim ao violão - deram sonoridade única às 3425916792_6a683ea696composições do artista. Mas nem só de poesias e harmonias sobrevive o ser humano. No âmbito espiritual, o guitarrista, compositor, produtor e cantor fala abertamente de suas crenças e sua identificação com o Cristianismo - Tomati foi integrante do Katsbarnéa por um ano. Lord’s Children, seu terceiro disco solo, lançado em 2005, é pouco conhecido. Uma pena, porque o álbum é - em minha opinião - o melhor instrumental cristão já lançado no Brasil e um dos melhores do meio secular. O disco funde rock, samba, jazz e black music. As guitarras realmente parecem falar, expressando sentimentos que algumas letras não conseguiriam externar. Entretanto, se engana quem pensa que as músicas cantadas soam fracas em meio ao disco. Ao contrário, as letras versam sobre amizade entre irmãos e amor a Deus de maneira peculiar. Segue abaixo uma amostra do que pode ser encontrado em Lord’s Children. Irmão, não devemos odiar, apenas amar uns aos outros. Perdoe minhas falhas e diga que continuamos irmãos, canta Tomati no melhor estilo de blues americano, entitulado Brotha. Ouça, encante-se e providencie seu disco o mais rápido possível:



Confira a seguir, a entrevista dada pelo Tomati, ao Rafael do Alforria:

alforria: Seu último trabalho, Lord’s Children, fala de pontos essenciais do Cristianismo, como guardar a Palavra que Jesus ensinou. Você é um ‘crente’ frequentador de igreja ou prega por se identificar com a ideologia cristã?

Tomati: Esse ponto essencial que você citou, está na musica God is Love. A estória dela foi contada na revista [que acompanha o cd. Nela Tomati revela ter feito a canção para um festival de música gospel, que acabou não ganhando. Veja o vídeo no YouTube ] Já frequentei igrejas, toquei em bandas, em louvores, conheço varias religiões, preguei para amigos e inimigos, etc. Minha intenção era fazer um disco com amigos músicos consagrados e da nova geração, em uma revista bilíngue que pudesse ser útil no aprendizado da língua norte-americana, com uma mensagem limpa e boa música, contando um pouco da minha trajetória profissional em fotos e textos escritos por mim. Um disco muito especial e ingênuo. Muita gente se identifica com a mensagem e muita gente não gosta. É só um ponto de vista. Eu gosto da música e do solo dela e isso é o que importa pra mim. Retrata uma época da minha vida e está registrada na sonzera.

alforria: Para você, o que um bom guitarrista cristão precisa ouvir?

Tomati: Tudo. A música transforma, ensina, educa. Estudar é fundamental. A música é minha religião, nela vejo DEUS [grifo do entrevistado].

alforria: A música evangélica está absorvendo as mudanças da música secular. Hoje em dia, é raro achar uma igreja que não toque rock, por exemplo. Como avalia estas mudanças?

Tomati: Acho que é para atrair um publico roqueiro. Na Igreja Betesda, participei de louvores com belas composições do meu amigo Miguel Garcia [ouça o excelente myspace do guitarrista aqui], com muita harmonia de jazz, letras super poéticas e solos que talvez não alegrassem a roqueiros. E também é preciso rever o conhecimento musical dos levitas. Às vezes toca-se o rock na igreja para se parecer moderno, mas ao mesmo tempo com guitarras desafinadas sem o esmero musical, visando apenas o lado comercial. Isso não é legal. Eu percebo na hora e acho que outros músicos também. Rock’n Roll é uma religião por si só, um estilo de vida, não só um estilo musical. Com certeza tem muita eletricidade e isso vibra.

alforria: Sofre preconceito por tocar música secular no ‘Programa do Jô’?

Tomati: Quem tem pré-conceito deve rever seus conceitos. O Programa do Jô para mim tem sido como uma grande escola de teatro, iluminação, produção, humor, relações publicas e muito mais. Estou no programa há 11 anos e tenho muito orgulho do meu trabalho em uma das maiores emissoras de televisão do mundo, a Rede Globo. Além disso, também trabalhei um ano e meio no SBT.

alforria: O que acha dos músicos que dizem tocar sem ensaiar, guiados apenas pela ‘unção’?

Tomati: Só se toca sem ensaio quando se tem enorme intimidade com a música em questão. Não se faz isso em qualquer situação musical. alforria: Quando compõe suas canções, parte primeiro das letras, melodias ou harmonias? Tomati: Das três maneiras. Cada música tem sua particularidade.

alforria: Está trabalhando em um novo disco? Quais são os planos futuros?

Tomati: Preciso vender mais Lord’s Children primeiro, para capitalizar. Ideias tenho de sobra, dá pra fazer mais uns cinco discos, mas como Lord’s Children ficou um tempo nas bancas e saiu, sendo vendido agora só por mim e amigos que compram para revender, os lucros ficaram basicamente com a editora que apoiou o projeto e teve gastos com ele. Gravei mais um disco de música brasileira depois do LC [lançado depois do envio da entrevista] com Michelle Spinelli, minha companheira, que nos rendeu alguns concertos em Nova York e a possibilidade de gravar clássicos de poetas e compositores da MPB e Bossa Nova, com belas interpretações na voz de Michelle [veja o myspace] e um instrumental fusion ‘di catiguria’. Estou terminando um projeto de uma guitarra desenhada com o luthier Marcos Sanches ‘Joker’, que poderá ser visto esse ano no Programa do JÔ: a GT FU510N.

alforria: Muito obrigado pela entrevista.

Tomati: Obrigado pelo interesse. Abraço a todos, Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...